V I A G R A:
O REMÉDIO QUE FAZ O HOMEM
VOLTAR A SER O QUE ERA.

O homem depois que toma
Esse remédio, o Viagra
Ao ver um rabo-de-saia
A sua chama deflagra
Seja a mulher bela ou feia,
Alta, baixa, gorda ou magra.

Esta pílula dá potência,
E o cidadão que tomá-la
Em menos de uma hora
Já fica em ponto de bala
Para fazer o serviço
Na cozinha, quarto ou sala.

Quem não dava mais no couro
Hoje em dia não reclama
Tem homem passando o dia
Só traquinando na cama
E a mulher se admirando
Que chega a baba derrama.

E o homem que já havia
Perdido todo vigor
Quando tomou o Viagra
Sentiu de novo o calor
Reacendendo a fogueira
Para os prazeres do amor.

Uma faca de dois gumes
É esse medicamento
Pode ajudar o casal
No seu relacionamento
Mas também já desmanchou
Um monte de casamento.

A mulher que se queixava
Que seu marido estimado
Não tinha mais condições
De botar capim pra gado
Ao vê-lo tomar Viagra
Se agradou do resultado.

O zero a zero de outrora
É fase já superada
Com a vinda do Viagra
A coisa está tão mudada
Que agora o artilheiro
Só marca de goleada.

O problema é quando o homem
Feliz com seu novo feito
Joga com o time de casa
Mas não fica satisfeito
Vai jogar com outros times
Julgando que tem direito.

Já imaginou quem vivia
Amofinado, infeliz
Só podendo se virar
Com língua, dedo e nariz
Quando toma esse Viagra
Não pára de querer bis.

Com tanta mulher disposta
A entregar-se ao prazer
E o cabra ficar olhando
Sem ter muito o que fazer
Mas agora com o Viagra
Vai botar pra derreter.

Motorista cujo carro
Arriou a bateria
Nem empurrando pegava
Era uma eterna agonia
Hoje pega de primeira
Trazendo nova a alegria.

Maquinista cujo trem
Há muito descarrilou
Tomou Viagra e nos trilhos
Novamente o trem botou
E nos túneis lá das Russas
Com vontade ele adentrou.

Até o doutor-raiz
Que estava sem freguesia
Pois a cobra ultimamente
Nem da maleta saía
Hoje vendo a cobra esperta
Não cabe em si de euforia.

Muito embora continue
Vendendo sua garrafada
Para dar sustança ao homem
Diz não ser mais indicada
Ele afirma que o Viagra
é a solução adequada.

Barnabé que nem lembrava
Quando foi que bateu ponto
Para enfrentar o batente
Hoje já se sente pronto
Dizendo: - A partir de agora
O atrasado eu desconto.

Vaqueiro que nunca mais
Colocou o boi no chão
Depois de tomar Viagra
Passou a ser campeão
E não tem novilha arisca
Que escape de sua mão.

Soldado que há muito tempo
Meteu gatuno na cela
Depois que provou a pílula
Não sabe viver sem ela
Sempre está de prontidão
Provando o efeito dela.

Padeiro que não podia
Mais botar o pão no forno
E por isso carregava
Na cabeça um triste adorno
Após tomar o Viagra
Se livrou deste transtorno.

O homem que se julgava
Uma parada perdida
Há muito tempo ninguém
Via sua cabeça erguida
Tomou Viagra, e agora
Está levando outra vida.

Mas é bom sempre lembrar
Que nem todo cidadão
Pode tomar o remédio
Pois há contra-indicação
Para quem tem diabetes
Ou sofre do coração.

Se você for um cardíaco
Não tome o Viagra não
Pois se tomar se arrisca
A cair duro no chão
E ao invés de ir ao gozo
Vai direto pro caixão.

Eu já soube de um sujeito
Que procurando aventura
Após tomar o Viagra
Sentiu calor e tontura
E ao invés de outra coisa
Ficou com a perna dura.

Se quiser tomar Viagra
Não seja tão imprudente
Primeiro procure o médico
E a ele conte o que sente
Se o doutor autorizar
Compre logo e arrebente!

Aproveite esse vigor
Que já muito você não tinha
Se lance à vida, no entanto
Se lembre, camaradinha
Na hora do vamos-ver
Não esqueça a camisinha.

FIM

TIMBAÚBA-PE-JULHO/98.


Voltar ao menu